PARA ANUNCIAR CLIQUE AQUI | GRÁTIS :: PETS E SERVIÇOS

Adotei e não me adaptei: a adoção de animais não é um processo sem volta

Autor: Paula Semer
Categorizados em: Adoção Adulto Cachorros Criadores Dicas FIlhote Gatos Lifestyle Quer mais 1 Saúde Senior Tem pet
Adotei e não me adaptei: a adoção de animais não é um processo sem volta

A ideia não é desencorajar a adoção de animais, e muito menos incentivar o abandono, combinado? Combinado!

É muito comum que as famílias fiquem muito empolgadas ao levar um filhotinho para casa. Isso acontece muito em feiras de adoção. É irresistível não agarrar um e levar embora, não é mesmo? Se você está pensando em adotar um bichinho, precisa estar consciente sobre todo o processo de adaptação com a família. Um animal é uma vida que precisa de todo o cuidado, amor, carinho, atenção e muita dedicação.

Não à toa, muitas ONGs e grupos protetores de animais fazem uma triagem rigorosa antes de encaminhar um mascote para um novo lar. Denise Mello Fontana é fundadora do grupo Protetoras Independentes da Granja Viana, em São Paulo. A organização sem fins lucrativos que, desde 2002, resgata, cuida e encaminha adoção, cachorrinhos quem encontravam-se na rua. Ela conta que o grupo “visita a casa (dos possíveis tutores), percebe se a família é estruturada e qual a expectativa de cada um. O animal passa por um período de experiência de uma semana com a futura família antes da oficialização. No momento da adoção, os tutores assinam um termo alegando que, caso haja algum problema dentro de dois anos, o bichinho será devolvido ao grupo.

O resultado dessa seleção criteriosa é uma taxa de troca ou devolução baixíssima. Ela diz que “dos 1200 animais doados até hoje, apenas dois foram devolvidos: uma pessoa que mudou de país e não tinha condições de levar o cão e outra que comprou um cachorro para um sítio, mas teve que vender a propriedade. Se não der certo, a gente vai buscar.”

Dicas:

  • Com ou sem raça, todo cachorrinho exige paciência e dedicação, bem como atenção, carinho, brincadeiras e boas doses de amor. Tudo isso se intensifica ainda mais nos primeiros dias do animal no novo lar. Por isso, se possível, tente levar o bichinho para casa em um final de semana, quando terá mais tempo para dedicar a ele (se for durante a manhã, melhor ainda, pois assim ele terá todo o período diurno para conhecer o ambiente).
  • A hora de dormir dos cães novatos pode ser um verdadeiro pesadelo. Enquanto a ausência da mãe e dos irmãos é bastante sentida pelos filhotinhos, os cães adultos podem ficar extremamente inseguros no novo ambiente e acabarem demorando bastante para se acostumar ao novo lar. Para acalmar o cachorro e ajudar a aliviar o estresse você pode colocar uma pelúcia junto com o filhote ou uma roupa com o seu cheiro. Enquanto a pelúcia agirá como um “irmãozinho” para o animal. A roupa com o seu cheiro o deixará com a sensação de aconchego.
  • Antes de se perguntar porque o seu cãozinho está agindo de determinados modos, lembre-se que quem o educa é você. As atitudes dele são reflexo das suas. Por isso, exercer liderança e ser rígido quando necessário são práticas extremamente importantes na educação de um animal.

E quando o animal não se adapta?

Segundo Denise, isso se deve mais à impaciência da família. Um pet que foi resgatado e chega ainda assustado na sua casa. Por exemplo, talvez precise de tempo para começar a interagir e se sentir à vontade com o espaço e as pessoas.

Antes de adotar um mascote para chamar de seu, portanto, é importante ter em mente que aquele filhote fofo vai crescer e envelhecer, vai precisar de companhia, passeio, brincadeira, comida, veterinário, presença e afeto ao longo de toda a vida. Mas, estamos todos sujeitos a imprevistos e mudanças repentinas. Se por acaso algo não saiu como o esperado ou você e o novo companheiro não conseguiram se adaptar, o melhor mesmo é encaminhá-lo de volta para o doador. Ou ao menos consultá-lo para definir como encontrar um novo dono.

Na dúvida sobre adotar ou comprar um pet? Já falamos sobre isso aqui!

Adotei e não me adaptei: a adoção de animais não é um processo sem volta
autor

Paula Semer

Paula Semer é jornalista, está em São Paulo, escreve livros para crianças e dá aulas de yoga. Depois de anos sem pensar em cachorro, acaba de se apaixonar perdidamente por um novo filhote!

— veja abaixo o resultado da busca ou refine sua pesquisa no painel esquerdo—

Filtrar
291 resultado(s)
38 resultado(s)

Qual dos FILTROS você quer usar?

Qual a faixa etária do pet?

Quer receber dicas animais?

Melhores amigos sabem tudo um do outro :-) Inscreva-se e receba notícias, dicas e promoções. A gente adora contar novidades!

Selecione abaixo como quer compartilhar este conteúdo
Fechar Um e-mail foi enviado para você redefinir sua senha