PARA ANUNCIAR CLIQUE AQUI | GRÁTIS :: PETS E SERVIÇOS

Depressão canina: fique atento aos sinais

Autor: Paula Semer
Categorizados em: Adulto Cachorros Comportamento Saúde Senior Tem pet
Depressão canina: fique atento aos sinais

Pesquisas recentes sobre o estado emocional dos animais comprovam que sim, cachorros (infelizmente) também sofrem de depressão. No caso dos peludos, a doença está mais ligada ao estresse causado por mudanças.  Como uma perda afetiva, situações de agressão, mudança de ambiente ou mesmo uma enfermidade. A transformação brusca na rotina também pode ser o estopim para o desânimo – digamos que, em uma estação mais chuvosa, você reduza de três para um o número de vezes que passeia com seu amigo.

De qualquer forma, trata-se de um problema multifatorial, que pode estar associado a fobias e ansiedade. Aliás, é fácil confundir a depressão com a síndrome da ansiedade de separação, em que o cão reage ao fato de ficar muito tempo sozinho, na ausência do dono. Não por acaso. Hoje se sabe que os sentimentos de solidão e abandono estão intimamente associados aos casos de depressão canina.

Não confunda depressão com calma.

Um cachorro deprimido não tem vontade de brincar ou passear, não fica perto das pessoas como antes e perde o apetite. Repare ainda se o seu mascote está intolerante ao toque físico. Esses sinais são importantes, porque comunicam o estado de ânimo do animal e servem de termômetro para a vitalidade e a saúde do peludo. Alguns indícios são mais difíceis de interpretar, mas também podem estar presentes. Por exemplo, fazer xixi e cocô em lugares não usuais ou começar a lamber as próprias patas.

Certifique-se de estar dando atenção e carinho ao seu amigão. Leve-o para passear e estimule o seu ânimo com brincadeiras. É possível que só a presença contínua do tutor na rotina do cachorro já traga uma resposta positiva. Em outros casos, no entanto, será necessário procurar um terapeuta de cães ou acionar alguma intervenção do veterinário. Diante de um diagnóstico de depressão, o especialista poderá prescrever o uso de florais, homeopatia ou de medicamentos alopáticos. Vale a pena cuidar com atenção do problema para ver o seu melhor amigo feliz e saltitante por aí!

Já falamos sobre diabetes em cães, Confira

Depressão canina: fique atento aos sinais
autor

Paula Semer

Paula Semer é jornalista, está em São Paulo, escreve livros para crianças e dá aulas de yoga. Depois de anos sem pensar em cachorro, acaba de se apaixonar perdidamente por um novo filhote!

Quer receber dicas animais?

Melhores amigos sabem tudo um do outro :-) Inscreva-se e receba notícias, dicas e promoções. A gente adora contar novidades!

Selecione abaixo como quer compartilhar este conteúdo
Fechar Um e-mail foi enviado para você redefinir sua senha